De olho no mercado

Como diversificar uma carteira de ações

Publicado em 06/04/2021

Para começo de conversa, precisamos ter em mente que o principal motivo da diversificação no portfólio de ações é mitigar o risco. Dito isso, esclarecemos que o risco é comumente classificado em dois tipos: risco sistemático e não sistemático. 

  • Risco sistemático: é aquele que afeta a economia de uma forma geral, no qual todas as empresas e setores estão inseridos. Pode ser ocasionado por uma instabilidade no sistema financeiro, volatilidade do dólar, crise política, guerras, pandemias e etc. É também conhecido como risco não diversificável, pois ele não pode ser anulado. 
  • Risco não sistemático: refere-se a uma empresa ou setor em específico. Estão relacionados principalmente aos riscos de crédito, liquidez, mercado, operacional e fiscal de uma companhia. Ou impostos, subsídios e pragas que impactam um setor inteiro. Diferentemente do risco sistemático, o risco não sistemático pode ser reduzido através da diversificação

O risco não sistemático de uma carteira depende do número total de ações, suas proporções e correlação. Uma mudança em qualquer uma dessas variáveis altera o risco do portfólio. Com relação à correlação (medida estatística entre -1 e 1 que demonstra a relação entre os ativos), o ideal é que ela seja negativa. A correlação negativa entre ações significa que os ativos se movimentam em direções opostas (quando um sobe, outro desce). 

Porém, qualquer correlação abaixo de 1 já indica um grau de diversificação. Para não deixarmos a conversa muito em termos técnicos, podemos simplificar dizendo que um portfólio com empresas de diferentes portes e em diferentes setores já cumpre o pré-requisito de correlação. No que diz respeito a proporção alocada em cada ativo, embora a literatura sobre esse assunto seja escassa, a conclusão é de que, de forma geral, os ativos devam ter pesos semelhantes, com direito a uma porcentagem maior em 1 ou 2 ativos em que o investidor tenha mais confiança. 

E, finalmente, sobre o número total de ações que compõem uma carteira. Embora a academia seja dividida sobre o assunto e não haja um número mágico, o consenso é de que um portfólio derivado de 12 a 18 ativos atinja 90% do máximo benefício da diversificação. 

Acima desse número, os custos marginais de transação e o fato de que fica cada vez mais difícil estudar bem as companhias tornam-se desvantagem para o investidor. 

Você mais informado

Esse post foi retirado do Inter Dica da Semana, relatório enviado pela nossa equipe de Research. Para ter acesso a mais conteúdos assim, continue acompanhando nosso blog ou inscreva-se para receber os relatórios em sua caixa de entrada.

Gostou? Compartilhe

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos completos sobre investimentos, educação financeira e novos produtos