De olho no mercado

Bolsa de valores: por que tem tanta gente investindo? (e como começar?)

Publicado em 27/01/2021

Em 2020, a Bolsa de Valores terminou o ano com 3,2 milhões de investidores. O número representa um aumento de 92% em relação a 2019, e dá continuidade ao fluxo de investidores para a B3, que teve altas expressivas nos últimos 5 anos.

A maior parte desses investidores ainda é composta por homens, entre 26 e 35 anos, e concentra-se na região Sudeste do País, principalmente em São Paulo.

O aumento aconteceu mesmo em um cenário de muita incerteza econômica e volatilidade das bolsas de valores ao redor do mundo, o que levantou a pergunta: por que tem tanta gente investindo em renda variável?

Neste post vamos traçar possíveis respostas para esse questionamento e mostrar o passo a passo para você também começar a investir na bolsa.

1. Baixa recorde da Selic

Com o avanço da crise econômica, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) baixou a taxa Selic para 2% em agosto de 2020, com o objetivo de tentar manter a inflação do país próxima da meta anual.

A decisão impactou diretamente nos investimentos de Renda Fixa, fazendo com que muitos investidores “migrassem” para a Bolsa de Valores em busca de maior rentabilidade e diversificação de suas carteiras.

2. Preços mais baixos

A incerteza dos mercados, causada em grande parte pela pandemia do Coronavírus, levou a desvalorização dos preços das ações de empresas conhecidas do grande público como as companhias aéreas e algumas empresas de commodities, como Vale e Petrobrás.

Com os preços mais baixos, muitos investidores viram a oportunidade de entrar neste mercado apostando na recuperação da economia e na alta das ações no médio e longo prazo.

3. Mais conteúdo sendo produzido sobre o assunto

O aumento de conteúdo sobre renda variável na internet levou a dois fenômenos distintos: ao mesmo tempo que aumentou a confiança no mercado de ações e contribuiu para a queda de alguns mitos sobre a bolsa de valores, também motivou a entrada de novos investimentos com o sonho de obter altos ganhos em pouco tempo.

Aqui é sempre bom lembrar que o mercado de ações é um mercado de renda variável, ou seja, oscila diariamente, influenciado por fatores macroeconômicos, noticiários e dinâmicas de oferta e demanda, o que faz com que a performance de uma ação nunca seja linear: podendo gerar ganhos e perdas para o investidor, nem sempre na mesma proporção.

Mais adiante falaremos sobre a importância de o investidor ter uma mentalidade de longo prazo.

4. Surgimento de novas corretoras e ferramentas de Home Broker

Antigamente, para investir no mercado de ações, só era possível por meio de uma corretora de valores que ficava responsável por emitir as ordens de compra e venda de ativos.

Nos últimos 5 anos, a entrada de novas corretoras e instituições no mercado e o surgimento de ferramentas de Home Broker permitiram que o investidor pessoa física operasse na bolsa com mais autonomia e mobilidade. Não por coincidência, o número de investidores pessoa física também vem aumentando no mesmo período.

5. Mudança no perfil do investidor

A Poupança continua sendo o investimento favorito da maioria dos brasileiros, seja por comodidade, seja porque muitos brasileiros ainda possuem apenas conta poupança como principal conta de movimentação de recursos. Mas o aumento de investidores na Bolsa indica que, aos poucos, o perfil do investidor está mudando, e as pessoas estão mais propensas a abrir mão da liquidez e da segurança oferecidas pelos investimentos de Renda Fixa para se arriscarem no mercado de ações em busca de maior rentabilidade.

É claro que essa virada nunca pode ser total, devido a alta volatilidade dos mercados. Mesmo para investidores mais arrojados, nossa equipe financeira recomenda manter pelo menos 20% do dinheiro aplicado em Renda Fixa, tanto pós-fixado quanto indexados à inflação.

Veja nossas recomendações de alocação para diferentes perfis.

Você pode descobrir qual o seu momento na jornada do investidor e, consequentemente, os investimentos mais adequados para o seu perfil, fazendo o teste de Suitability pelo aplicativo do Inter.

Como começar a investir na Bolsa?

Se você está considerando entrar no mercado de renda variável, existem algumas coisas que você precisa saber:

Separe sua reserva de emergência

O primeiro ponto que você deve considerar antes de começar a investir é o recurso que você possui para se manter no curto prazo: a tão falada reserva de emergência.

Apesar de ações terem muita liquidez e serem negociadas dinamicamente, pela oscilação natural da carteira (incluindo riscos de perdas) não dá para contar com o dinheiro investido para pagar as contas do dia a dia.

Garanta a diversificação da carteira

Outra dica fundamental para quem está começando é garantir a diversificação da carteira em várias ações e, segundo nossos especialistas, a melhor forma de começar é investindo em Fundos de Ações. Além da possibilidade de diversificação, os Fundos contam com gestores profissionais e atualizados sobre o mercado que vão comprar e monitorar seus investimentos.

A partir desse primeiro contato com o mercado de ações, você conseguirá perceber seu nível de aversão a risco e, se quiser, poderá trabalhar em uma carteira própria. E até mesmo mesclar os dois modelos.

Consuma conteúdo sobre as ações que te interessam

As chances de ter um retorno positivo com uma ação aumentam quando o investidor busca o histórico intrínseco daquele ativo.

Um exemplo: uma marca importante de cosméticos vai inaugurar mais lojas no Brasil e está tendo uma ampla cobertura da mídia. É bem provável que nos dias que antecedem a inauguração das lojas, as ações dessa empresa se valorizem, mas qual era o comportamento das ações antes?

Se você ainda não sabe por onde começar sua pesquisa, inscreva-se para receber relatórios de ações recomendadas elaborados pela nossa equipe de Research. Além dos relatórios de ações, você terá acesso a relatórios específicos sobre o desempenho de setores econômicos e sobre as empresas, que vão ajudar a embasar suas decisões de investimentos.

Invista em empresas ou setores nos quais você acredita

Após esse primeiro filtro de informações, privilegie investimentos em setores ou empresas que você conhece e/ou acredita. O conhecimento empírico sobre um determinado mercado é importante para que você não desista diante da primeira oscilação.

Diminua a ansiedade e desenvolva uma mentalidade de longo prazo

Comprar ações nada mais é do que adquirir uma pequena participação em uma empresa, ou seja, tornar-se sócio dela e como qualquer negócio, a empresa precisa de tempo para “performar”.

O prazo ideal para negociação não existe, mas deve ser de pelo menos 3 a 5 anos, na visão do Gerente de Investimentos do Inter, Elias Coelho. “Se você cria uma empresa e tem a visão de dono do negócio vai entender que todo empreendimento precisa de tempo para crescer, dar lucro e trazer resultados. Por isso, a gente fala sobre diminuir a ansiedade e ter uma visão de longo prazo para sua carteira”.

Veja essa e outras dicas para começar em investir em uma das lives do nosso canal.

Mantenha suas obrigações fiscais em dia 

O investidor que negocia ações na Bolsa também deve, por lei, declarar os valores comercializados para a Receita Federal.

No caso dos Fundos de Investimentos o trâmite é mais simples: a empresa administradora retém os impostos na fonte, e cabe ao investidor apenas incluir os informes de rendimentos na declaração do ano vigente.

Quando o investidor cria sua própria carteira de ações a responsabilidade pelo Imposto de Renda passa a ser dele, observando as seguintes regras:

  • Vendas abaixo de 20 mil reais por mês estão isentas;
  • Enquanto nas movimentações acima de 20 mil por mês, deve-se pagar 15% de imposto sob o lucro obtido;
  • Para o pagamento é preciso entrar no site da Receita Federal, emitir uma DARF no valor do imposto calculado e fazer o pagamento até o último dia do mês subsequente à venda das ações.

Vale a pena investir na Bolsa neste momento?

Os impactos da pandemia ainda são percebidos na economia, mas a expectativa pela vacinação em escala mundial e pelo lançamento de pacotes de estímulos econômicos e fiscais nas principais economias ao redor do mundo, foram responsáveis por altas consecutivas da Bolsa no último trimestre do ano passado, batendo patamares históricos.

Mesmo com a expectativa de um horizonte mais positivo, a Bolsa de Valores continua sendo um mercado de alta volatilidade, por isso, para responder se vale a pena investir na Bolsa é preciso olhar muito mais para o investidor do que para o mercado. 

Como qualquer investimento, investir na Bolsa exige planejamento e objetivos claros: qual o seu objetivo ao investir em ações? Aumentar o patrimônio? Garantir uma aposentadoria satisfatória? Pagar pelos estudos daqui uns anos? Depois disso, precisamos nos perguntar: faz sentido tornar-me sócio desta empresa? Para onde ela está caminhando? É provável que o mercado onde ela atua esteja aqui daqui uns anos?

Podemos, ainda, iniciar nossa análise pessoal, respondendo três questões básicas:

1. Você está disposto a correr o risco envolvido na compra e venda de ações?

2. Você possui uma reserva de emergência para manter sua família, até que seus investimentos deem resultado?

3. E por último: você consegue esperar o tempo necessário para fazer jus ao seu planejamento pessoal e objetivo traçado?

Se você respondeu sim para as 3 perguntas, está preparado para operar na bolsa, observando sempre seu perfil de investidor, o valor que você tem para aplicar e as ações que fazem mais sentido para você no momento. Para isso, você pode contar com o apoio do nosso time.

Para aqueles que responderam não para as perguntas existem alternativas viáveis de Renda Fixa que oferecem um retorno acima da inflação, e podem gerar menos frustração.

Para saber mais sobre o assunto, siga o perfil @interinvest no Twitter e ouça os podcasts do Inter Invest nas principais plataformas de áudio. Diariamente, atualizamos esses canais para que você possa tomar decisões de investimentos baseadas em dados.

Gostou? Compartilhe

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos completos sobre investimentos, educação financeira e novos produtos