De olho no mercado

Marcação a mercado: o que é e como ela te impacta?

Publicado em 06/07/2021

O conceito de marcação a mercado é extremamente importante para os investidores de renda fixa, no entanto ele ainda é mal compreendido por muitos. Isso leva a algumas indagações como: “Por que a cota do meu fundo de renda fixa caiu?” ou “A renda fixa varia?”.

Continue a leitura para entender.

O que é marcação a mercado?

Para responder a essas e outras perguntas é preciso entender como funciona o mercado de títulos.

Assim como existe a bolsa de valores, na qual investidores negociam ações diariamente, há também o mercado balcão. Nele, diversos agentes econômicos, como bancos e fundos de investimentos, compram e vendem títulos de dívida.

Igualmente à bolsa, essas dívidas possuem cotações diárias baseadas nos preços aos quais os ativos estão sendo negociados. Dessa forma, se você compra um título que rende X% ao ano e o mantém até o vencimento, o rendimento será exatamente o X% contratado.

Mas se você toma a decisão de vender o ativo antes do vencimento, você estará sujeito às cotações do mercado balcão.

Isso acontece porque quando se carrega o título de dívida até o vencimento, quem paga o investidor é o credor da dívida, seja ele uma empresa ou governo. Mas quando se vende o ativo antes do vencimento quem o compra é outro investidor e o valor da transação será o de mercado.

Então, de forma bem resumida, a marcação a mercado é o preço que você conseguiria caso fosse vender seus ativos hoje.

Marcação a mercado na prática e com exemplos

Suponha que um investidor compre um título do governo, prefixado, sem pagamento de cupom (LTN), com vencimento daqui a dois anos e taxa de remuneração de 10% ao ano.

Nesse caso, o valor da dívida no vencimento já está definido em mil reais e o seu valor no presente é aquele 

necessário para gerar os 10% ao ano de remuneração.

Ou seja, aproximadamente R$826,45.

  • Valor de compra do título = 1000/[(1+0,1)²] = R$826,45
  • Valor no vencimento = R$1.000,00
  • Retorno do investimento se mantido até o vencimento = (R$1000,00/R$826,45) -1 = 21%
  • Retorno ao ano do investimento = [(1+21%)^(1/2)] -1 = 10% ao ano (Lembrando que 21% em dois anos é o equivalente à taxa de 10% ao ano, pois estamos falando de juros compostos.)

Assim, nosso investidor fictício que comprou a LTN por R$826,45 receberá R$1.000 de volta no vencimento da aplicação.

Agora, suponhamos que um ano após a compra ele decida vender esse título.Como o vencimento do papel ainda não chegou, quem comprará o ativo será um outro investidor. O valor pago dependerá da taxa de remuneração pela qual esse outro investidor está disposto a comprar o título.

Se o cenário não mudou e o título continua sendo negociado a 10% ao ano, então o preço dele nesta data será de R$953,46 e o investidor vendedor receberá exatamente os 10% ao ano equivalente àquele período de tempo que ele manteve o título em sua carteira:

  • Valor de venda do título = 1000/[ (1,1)¹ ] = R$909,09
  • Retorno em um ano = (R$909,09/R$826,45) -1 =10%

No entanto, o mais comum é a taxa de remuneração não ser mais a mesma. Dessa forma, o investidor que está se desfazendo do ativo antes do vencimento pode não conseguir vendê-lo pelos mesmos 10%.

Se o mercado estiver pagando uma taxa maior, supondo 12%, o investidor que vender o papel antecipadamente receberá menos do que os 10% de remuneração do título.

  • Valor de venda do título = 1000/[(1+0,12)¹] = R$892,86 
  • Retorno em um ano = (R$892,86/R$826,45) -1 = 8,04%

Da mesma maneira, pode acontecer o inverso e o título estar sendo negociado por uma taxa menor do que os 10%. Nesse segundo exemplo, o investidor que vender antecipadamente o título obteria um resultado superior aos 10% contratados.

Consideremos que em um ano o mercado esteja comprando a LTN por 8%. Nesse caso: 

  • Valor de venda do título = 1000/[ (1+0,08)¹] = R$925,93
  • Retorno em um ano = (R$925,93/R$826,45) -1 = 12,04%

Note que o preço de mercado do título é inversamente proporcional a sua taxa de remuneração. Quando os investidores requerem um maior retorno sobre o investimento, o valor do ativo cai e vice-versa.

O que gera a variação dos títulos?

E o que gera essa variação dos “yields” dos títulos? Dentre os principais fatores estão:

  1. A percepção de risco para o crédito em questão;
  2. As expectativas para as variáveis macroeconômicas como juros e inflação;
  3. A liquidez do mercado.

Normalmente, as corretoras e os bancos marcam os ativos de renda fixa de pessoas físicas na curva, isso é, na mesma taxa em que compraram o ativo. Assim, o investidor só vê a marcação a mercado quando cota o preço que receberia pelo ativo caso o vendesse de forma antecipada.

É o mesmo raciocínio de ter um imóvel. O valor dele varia bastante ao longo do tempo, no entanto não é discutido diariamente com o corretor o preço da casa. Você só cota o preço na hora de comprar ou vender.

Já em fundos de investimento isso funciona de forma diferente e todos os ativos são marcados diariamente a valor de mercado. Tal marcação é necessária para evitar transferência de riqueza entre os cotistas do fundo.

>> Saiba mais sobre fundos de investimento.  

Porque é importante manter os títulos até o vencimento?

Por fim, há duas lições interessantes que podemos tirar do texto. Primeiramente, a marcação a mercado não gera perda permanente de patrimônio caso o título seja mantido até o vencimento. Contudo, é válido ressaltar que ela influencia diretamente no custo de oportunidade, isto é, no dinheiro que o investidor terá disponível para alocar em outros investimentos.

Em segundo lugar, apesar da perda temporária de patrimônio quando a taxa de juros do título aumenta, ela é compensada por um retorno maior até o vencimento, o chamado carrego.

Esse post foi retirado do Inter Dica da Semana, relatório enviado pela nossa equipe de Research. Para ter acesso a mais conteúdos assim, continue acompanhando nosso blog ou inscreva-se para receber os relatórios em sua caixa de entrada.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos completos sobre investimentos, educação financeira e novos produtos

Gostou? Compartilhe