De olho no mercado

O que é Open Banking e o que ele vai mudar no seu dia a dia?

Publicado em 11/03/2021

Nesse texto vamos falar de um sistema que vai ao encontro de dois pilares do Inter: transparência e simplicidade.

Continue a leitura para entender tudo sobre o Open Banking e como ele vai mudar sua relação com seu banco.

O que é o Open Banking?

O Open Banking ou Open Finance será um sistema regulamentado pelo Banco Central que vai permitir o livre compartilhamento de serviços e dados dos clientes, entre instituições financeiras, por meio de APIs (Aplication Programming Interface ou Interface de Programação de Aplicativos).

Quais dados serão compartilhados e com qual objetivo?

Serão compartilhadas informações cadastrais como nome, CPF, contato, dados transacionais, incluindo renda e movimentações financeiras, tanto de pessoa física como de pessoa jurídica; e, por fim, dados sobre os produtos que o cliente utiliza como seguro, cartão de crédito, plano de previdência, etc.

O objetivo do sistema é estimular a ampla concorrência e a oferta de serviços para o consumidor final, bem como simplificar a vida de quem utiliza os bancos, devolvendo para essas pessoas o controle sobre sua vida financeira.

Esse sistema é seguro?

Antes de responder essa pergunta é preciso entender como o Open Banking vai funcionar.

No novo ambiente, o compartilhamento de dados entre as instituições será feito via APIs, uma tecnologia que permite integrar sistemas com diferentes componentes e linguagens de programação. As APIs, por sua vez, são construídas com várias camadas de proteção, para que ninguém fora das plataformas conectadas tenha acesso aos dados.

Um exemplo bem conhecido de API aberta é o Google Drive. Se você utiliza o serviço, em algum momento deve ter acessado um site onde era possível anexar um arquivo diretamente do Google Drive, certo?

Mas, vamos voltar para o open banking....

Além da tecnologia utilizada ser comprovadamente segura, o sistema como um todo será regulamentado pelo Banco Central, isso significa que as instituições participantes deverão atender as premissas estabelecidas pelo órgão financeiro e estarão sujeitas a punições.

É importante ressaltar também que seus dados continuam protegidos pela lei de sigilo bancário (Lei complementar n° 105) e pela Lei Geral de Proteção de Dados (n° 13.709/2018), que proíbem o compartilhamento de informações do cliente com terceiros. Resumindo: você só adere ao Open Banking se quiser e, como cliente, tem a prerrogativa de cancelar a autorização a qualquer momento.

Quando o sistema começa a funcionar?

No Brasil, o Open Banking será implementado em 4 fases, todas em 2021.

Fase 1 - Dados institucionais

Nessa etapa, que teve início em fevereiro, as informações compartilhadas ainda não envolvem os dados dos clientes, são dados da própria instituição como: canais de atendimento, produtos e serviços, etc.

(No momento, estamos aqui).

Fase 2 - Dados cadastrais e transacionais

A partir do dia 15/07, as instituições poderão compartilhar dados cadastrais e transacionais relativos pagamentos, cartões de crédito, financiamentos e empréstimos, com o devido consentimento do cliente.

Fase 3 - Iniciação de pagamentos e propostas de crédito

Já na fase 3, prevista para iniciar em 30/08, o cliente também poderá fazer transações de pagamento e encaminhamento de proposta de operação de crédito em diferentes instituições, usando um único aplicativo.

Fase 4 - Dados de Seguros, investimentos e câmbio

E por último, serão compartilhados dados complementares​ como operações de câmbio, investimentos, seguros e contas-salário, a partir de 15/12.

Como o Open Banking vai mudar o seu dia a dia

A essa altura, você deve estar se perguntando quais os benefícios do Open Banking para os clientes.

O principal deles é que você terá acesso a mais produtos e serviços, a um preço mais justo, sem ter que migrar de banco ou usar diferentes aplicativos (É quase como o aplicativo do Inter: onde você tem acesso a vários serviços em um só lugar!).

As informações centralizadas também deverão facilitar seu controle/planejamento financeiro, te ajudando a visualizar todos os seus rendimentos e gastos.

Mais dados = mais crédito

Um dos serviços mais impactados pelo novo sistema será a oferta de crédito.

Suponha que você deseja solicitar um empréstimo bancário, mas seu banco não oferece as melhores taxas do mercado.

Antes do Open Banking, você teria menos argumentos para demonstrar para outro banco que está apto a pagar as parcelas, já que suas informações financeiras estariam associadas à sua conta principal.

No futuro, essa transação será muito mais simples, pois seus dados serão disponibilizados, após o seu consentimento, para qualquer instituição de forma simples, rápida e 100% digital, como deve ser.

Você em primeiro lugar

Com tanta oferta de serviços, o que vai diferenciar a instituição A da instituição B será a qualidade do atendimento e a experiência que elas proporcionam.

E nessa batalha quem ganha são os clientes, ou seja, você.

O que mais eu preciso saber sobre o assunto?

Por enquanto, o Open Banking ainda não está compartilhando os dados dos clientes. Mas existem algumas informações que você pode saber desde agora:

  1. O Open Banking será opcional para os clientes, ou seja, seus dados só serão compartilhados mediante consentimento;
  2. A adesão ao sistema será feita exclusivamente nos canais digitais das instituições participantes;
  3. Você poderá revogar a autorização quando quiser;
  4. Seus dados continuarão protegidos pela Lei de Sigilo Bancário e Lei de Proteção de Dados;
  5. Nunca iremos te ligar ou enviar mensagem solicitando informações para habilitar o Open Banking.

E você, pretende usar o Open Banking? Conte aqui nos comentários!

Gostou? Compartilhe

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos completos sobre investimentos, educação financeira e novos produtos