Cuidando do seu dinheiro

Ainda vale a pena investir na poupança?

Publicado em 14/12/2020

Simples e fácil de administrar, a caderneta de poupança ainda é o investimento preferido pela maioria dos brasileiros, embora seja desaconselhada por muitos especialistas do mercado financeiro devido à sua baixa rentabilidade.

No post de hoje vamos falar tudo o que você precisa saber sobre essa modalidade de investimento: quanto ela rende, suas vantagens e desvantagens, e responder à pergunta que não quer calar “ainda vale a pena investir na poupança”?

Continue com a gente para descobrir.

Queridinha há mais de 150 anos

A caderneta de poupança é uma velha conhecida dos brasileiros: quase 160 anos já se passaram desde que ela foi fundada por meio de um decreto, em 1861, como uma opção para famílias de classes mais baixas juntarem dinheiro.

Naquela época, os valores investidos chegaram a render 6% ao ano, e a aplicação já nasceu com uma de suas mais famosas características: podia ser sacada a qualquer momento.

Essa característica só não foi respeitada no início da década de 90, quando o Governo Federal ordenou o confisco de contas poupança que tivessem guardados valores superiores a 50 mil cruzados novos. A situação foi regularizada um ano e meio depois, mas com danos irreversíveis para alguns investidores.

Na década anterior ao confisco, também ficou definido por lei que a poupança só renderia no aniversário da aplicação, como uma medida para controlar a quantidade de saques que aumentaram significativamente com o impacto da inflação e a alta de preços.

Como funciona a poupança

A Poupança é um investimento de renda fixa que não possui aporte mínimo e, como já citamos por aqui, pode ser sacada a qualquer momento.

Para investir, basta escolher a instituição financeira de sua preferência e apresentar os documentos exigidos, normalmente comprovantes de residência e cédulas de identificação. Não é necessário ter mais de 18 anos para investir.

A maior parte do dinheiro aplicado (65%) é utilizado pelas instituições financeiras para oferecer crédito para pessoas que desejam adquirir um imóvel, e parte dos juros pagos nessa transação são utilizados para remunerar o investidor.

Vantagens da poupança

Fora a simplicidade, quais outras vantagens a poupança oferece?

Segurança

A poupança é considerada um dos investimentos que oferecem menos risco pelo investidor e um dos motivos é que ela conta com a proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que assegura até R$250 mil, caso a instituição financeira quebre.

A quantia segurada se refere a todos os investimentos somados de um mesmo CPF e em uma mesma instituição financeira.

Isenção de taxas e custos

A poupança não cobra tarifas de manutenção ou administração. Isso quer dizer que o valor que você aplica será resgatado sem perdas + os rendimentos proporcionais ao tempo de depósito (desde que o tempo não seja inferior a um mês).

Aqui, apenas um adendo: a quantia resgatada será a mesma, mas é possível que o poder de compra seja reduzido devido a fatores como inflação. Falaremos mais sobre isso nos próximos tópicos.

Isenção do Imposto de Renda

Sem taxas de manutenção e sem Imposto de Renda! O valor aplicado na poupança não é tributado pela Receita Federal. Mas veja bem, isso não quer dizer que ele não deve ser declarado. Pela lei você deve informar qualquer valor guardado em banco ou instituição financeira que ultrapasse R$140,00.

Liquidez diária

A liquidez é uma característica que determina em quanto tempo um ativo financeiro pode ser convertido em dinheiro, e no caso da poupança ela é diária. Se você deposita o dinheiro pela manhã, mas à tarde precisa fazer um saque de emergência, poderá fazê-lo na hora. Em algumas aplicações é comum que exista um prazo mínimo para o resgate.

A liquidez é bastante diferente, porém, de rentabilidade.Falaremos mais sobre isso no próximo tópico.

Desvantagens da Poupança

Baixa rentabilidade

A rentabilidade é um fator financeiro que diz respeito à porcentagem de rendimento que você vai obter sob o dinheiro investido e, no caso da poupança, este valor é dado por uma porcentagem da Taxa Selic + variação da Taxa Referencial. Por alguns anos seguidos esse rendimento tem sido abaixo da inflação, o que não é uma boa notícia para quem investe na modalidade.

Rentabilidade só no aniversário do investimento

O rendimento da poupança também outra característica que pode ser prejudicial.

Lembra que comentamos no início do texto que na década de 80 foi instituído o aniversário da aplicação? Em resumo, você só receberá o rendimento do valor investido se deixá-lo aplicado pelo período mínimo de um mês.

Por exemplo, um depósito feito no dia 20 só completará no aniversário no dia 20 do mês seguinte, se você sacar o dinheiro no dia 18 do mês seguinte não receberá o rendimento proporcional.

Quando o assunto é rentabilidade é importante ressaltar também que o rendimento da poupança será sempre o mesmo em qualquer instituição que você escolher.

Como é calculado o rendimento da poupança?

Até 2012, a caderneta rendia 0.5% ao mês + a variação da TR. Desde então, uma mudança nas regras fez com que o valor de rendimento da poupança passasse a ser dado pela Taxa Selic, que é a taxa básica de juros no Brasil. Para os depósitos feitos antes da mudança continua valendo a regra antiga.

Quando a Selic estiver acima de 8,5% ao ano, o rendimento da poupança é de 0,5% ao mês+ variação da TR. Em um cenário de desvalorização, o rendimento é equivalente a 70% da Selic + variação da TR.

A Taxa Referencial ou TR é calculada a partir da média ponderada dos juros de CDBs prefixados em 30 instituições financeiras no Brasil. Desde 2017, a média está zerada, o que também prejudica o rendimento da poupança.

Em 2020, o rendimento aproximado da poupança foi de 1.6%. Isso quer dizer que se você investiu R$1.000,00, ao término de 12 meses terá pouco mais de R$15 de rendimento.

Quanto rende a poupança no Inter?

Atualmente, a rentabilidade é de 0.37% ao mês e você recebe os rendimentos sempre que o valor aplicado completar aniversário mensal.

Como escolher o banco para começar a poupança?

Como acabamos de explicar, a rentabilidade da poupança será sempre a mesma, independentemente da instituição escolhida. Todos elas também te darão um cartão para movimentar a conta, direito a pelo menos dois saques por mês e duas transferências mensais para contas do mesmo titular, em cumprimento às exigências do Conselho Monetário Nacional.

Sendo assim, o que você deve considerar na hora de começar a poupança em uma instituição financeira?

Atendimento

Quando se trata de dinheiro ninguém quer ficar esperando horas para ter seu problema solucionado!

Visite os canais de atendimento do banco onde quer investir, observe como eles respondem os clientes em fóruns ou nas redes sociais, busque pela nota da instituição nos órgãos de Defesa do Consumidor e no Banco Central, e converse com pessoas que já utilizam o serviço.

Praticidade

Você consegue abrir sua conta sem sair de casa? Em quanto tempo você receberá o cartão? Vai precisar ir ao banco para desbloquear senha ou assinar algum papel? Tente responder essas perguntas antes de escolher onde guardar seu dinheiro, pois isso te poupará tempo!

No Inter você consegue abrir sua conta de forma 100% digital pelo nosso aplicativo, e sem ter que enfrentar filas em agências.

Outros benefícios

Seja qual for a instituição financeira é bem provável que você não vá usar apenas a poupança, certo? Avalie também as possibilidades que cada uma oferece como cartão de crédito, empréstimo facilitado e outros investimentos, caso você mude de ideia e decida sair da poupança.

Como investir na poupança pelo Inter

Para investir na poupança acesse seu aplicativo e clique em investimentos > investir > poupança > digite o valor e clique em investir.

Se você ainda não é correntista serão necessárias algumas etapas a mais, como envio de fotos dos documentos, assinatura digital e o aceite dos termos e condições da nossa plataforma de investimentos.

Outros investimentos de renda fixa x Poupança

A poupança possui suas vantagens e é a porta de entrada de muitas pessoas para o mundo dos investimentos, mas fato é que desde 2012, sua rentabilidade vem diminuindo a cada ano.

Enquanto isso, a inflação continua impactando o preço de produtos e serviços, fazendo com que aquela quantia guardada, embora esteja rendendo, também perca seu poder de compra.

Se você vivenciou o início do Plano Real ou conversa muito com pessoas que o vivenciaram, deve ter percebido ou ouvido alguém falar o quanto o dinheiro está desvalorizado ou que hoje em dia não é possível fazer uma compra de supermercado com R$100 reais. Poder de compra é isso!

Não estamos falando aqui para não utilizar a poupança, mas se você está em busca de investimentos de renda fixa que sejam seguros e simples de investir, existem outras opções no mercado que podem ser mais interessantes por terem uma rentabilidade mais alta.

CDB

Ao investir num CDB, você “empresta” seu dinheiro ao banco e ele te paga uma taxa específica, que varia de acordo com o valor investido, o prazo da aplicação e os índices do CDI (Certificado de Depósito Interfinanceiro).

Ou seja, se o CDI anual fosse de 7%, R$ 1.000,00 renderiam R$ 70,00 ao término de 12 meses, sem contar o desconto do Imposto de Renda que é cobrado de forma regressiva. Só que diferentemente da poupança, a rentabilidade da CDB é depositada para o investidor, diariamente, e proporcional ao tempo da aplicação.

No Inter, são oferecidas CDBs com liquidez diária, com aportes a partir de R$100 e que oferecem rentabilidade a partir de 97% do CDI, podendo chegar a até 102% do CDI no caso do CDB Limite Investido, no qual todo o valor investido é convertido em limite no cartão de crédito.

Vale lembrar que as CDBs também são asseguradas pelo Fundo Garantidor de Crédito, limitado a R$250 mil.

LCI

As LCIs são Letras de Crédito Imobiliário e também são oferecidas por bancos interessados em captar recursos para o segmento imobiliário. Como é lastreada por imóveis é uma aplicação considerada bastante segura, além de contar com o Fundo Garantidor de Crédito.

O investidor escolhe um título, o prazo e o índice ao qual o título está indexado, que pode ser o CDI, o IGPM ou o IPCA, por exemplo.Assim como a poupança, os LCIs são isentos de Imposto de Renda, mas em compensação, exigem um tempo mínimo para resgate do valor.

LCA 

As LCAs são Letras de Crédito do Agronegócio emitidas por empresas que atuam neste setor e possuem uma dinâmica bem semelhante às LCIs. A data de vencimento e a rentabilidade dos títulos são definidas no momento da compra, são isentas de Imposto de Renda.

Por outro lado, podem ter um aporte inicial e um tempo de aplicação maior do que os títulos imobiliários. Ou seja, se você imagina que vai precisar daquele dinheiro em menos tempo, compare bem os prazos antes de investir.

No site do Inter você pode simular investimentos em CDBs e LCIs.

Tesouro Direto

Enquanto nas CDBs LCIs e LCAs você está “emprestando” dinheiro para instituições privadas, no Tesouro Direto você está “emprestando” dinheiro para o governo em troca de uma remuneração baseada em juros.

Talvez por isso, o Tesouro Direto é considerado um dos investimentos mais seguros do país, mesmo que ele não conte com o Fundo Garantidor de Crédito. Outra grande vantagem da modalidade de investimento é que você pode aplicar qualquer valor a partir de R$30.

Os títulos se dividem entre pré-fixados (atrelados à inflação) nos quais você fica sabendo o valor do resgate já na data de aplicação, e os pós fixados que acompanham a Taxa Selic e podem render mais ou menos do que o esperado naquele período, acompanhando a alta ou baixa dos juros.

Apesar da possibilidade de rentabilidade maior, existem duas diferenças principais entre o Tesouro Direto e a Poupança: os títulos públicos não são isentos de taxas de custódia e de administração (que podem ser cobradas pela sua instituição financeira) e os títulos públicos são tributados, da mesma forma que acontecem com as CDBs, variando de 22.5% a 15%, de acordo com o tempo da aplicação.

Uma observação importante: embora o Tesouro Direto seja um sistema criado para pessoas físicas investirem em títulos públicos, é preciso ter uma conta em um banco ou corretora para aplicar, e ter seu cadastro aprovado. O prazo para aprovação pode levar até 5 dias úteis a partir da data de solicitação.

Ainda vale a pena investir na Poupança?

A resposta é sim e não ao mesmo tempo, e te explicamos porque: a poupança é um tipo de investimento seguro que oferece vantagens para quem quer poupar de imediato, mas ela vem se desvalorizando a cada ano, em muitos casos operando negativamente.

Neste sentido, é importante ter um olhar atento para diversificar sua carteira e buscar oportunidades que ofereçam maior rentabilidade. A intenção continua sendo poupar para o futuro, mas tentando preservar ao máximo seu poder de compra.

Se você tem pouco dinheiro, quer guardar, mas ainda precisa ter um “colchão” para gastos emergenciais, pode recorrer a poupança, mas CDBs e Títulos Públicos também são alternativas viáveis com a vantagem de não renderem apenas na data de aniversário.

Se está pensando em poupar para um sonho futuro, as LCIs e LCAs também cumprem a função, desde que você seja disciplinado e espere o prazo mínimo para resgate, podendo deixar o dinheiro aplicado um pouco mais para potencializar seu retorno.

O objetivo deste artigo não é te falar para sacar todo o valor investido na poupança, mas sim desmistificar o tema e mostrar que existem outros investimentos possíveis para quem está começando e que também oferecem pouco risco. Como tudo no Inter, a escolha é sua e seja ela qual for, nossa plataforma de investimentos permitirá fazer suas aplicações de forma rápida e segura.

Para embasar suas decisões de investimento você também pode acompanhar o perfil @interinvest no Twitter e os podcasts do Inter Invest nas principais plataformas de áudio.

*Atualizado em 14/12/2020.

Gostou? Compartilhe

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos completos sobre investimentos, educação financeira e novos produtos