De olho no mercado

Taxa Selic 2021 – variação ao longo do ano

Publicado em 23/09/2021

Desde 2016, a taxa Selic estava em trajetória de queda chegando ao seu menor patamar da história, ao atingir 2%, em 2020.

Mas eis que em 2021, a taxa se comportou de maneira diferente. De março para cá foram 5 aumentos consecutivos, até chegar ao patamar atual. Veja em quanto está Selic hoje, e como isso impacta no seu bolso.

Taxa Selic em 2021

Como mencionamos no início do texto, a Selic passou por 5 altas consecutivas desde o início do ano. Confira os valores da taxa ao longo do ano: 

Reunião da Copom Valor da Selic
  20 de Janeiro  2%
  17 de março  2,75% 
  5 de maio  3,5%
  16 de junho  4,25%
  4 de agosto  5,25% 
  22 de setembro  6,25% 

*Novas reuniões do Copom serão realizadas em 27 de outubro e 8 de dezembro. Confira o histórico completo da taxa pelo site do Banco Central.

Comentários sobre a reunião mais recente do Copom. Rafaela Vitória, economista-chefe do Inter

Taxa Selic hoje

Atualmente, a Taxa Selic está fixada em 6,25% ao ano, lembrando que ainda faltam 2 reuniões do Copom até o final de 2021, o que significa que a taxa ainda pode passar por alterações.

Mas além do valor por ano, a Selic também passa por uma variação mensal, conforme a tabela a seguir:

Mês Variação Mensal da Selic
  Janeiro  0,15%
  Fevereiro  0,13% 
  Março  0,20%
  Abril  0,21%
  Maio  0,27% 
  Junho  0,31% 
Julho  0,36% 
Agosto 0,43%

O que é a taxa Selic?

Selic é a sigla para Sistema Especial de Liquidação e Custódia — uma espécie de mercado no qual títulos do Tesouro Nacional são comercializados, diariamente, entre o Banco Central e Instituições financeiras.

Já a Taxa Selic é uma média dos juros de títulos públicos ofertados nesse sistema, além de ser a taxa de juros básica da nossa economia. Ela é fixada pelo Copom (Comitê de Políticas Monetárias), composto pelos oito membros da Diretoria Colegiada do Banco Central, que se reúne a cada 45 dias para avaliar o cenário macroeconômico do país e definir o valor da taxa que será praticada no período.

Como a taxa Selic afeta seu bolso?

A Selic é uma taxa anual, mas os rendimentos atrelados a ela são diários. Ou seja, quando a Selic sobe ou desce, o rendimento também altera, assim como o valor dos juros cobrados em empréstimos indexados por ela.

E como isso acontece na prática?

Se a taxa está mais alta o custo de captação dos bancos é maior, e esse valor é “repassado” para o consumidor através dos juros de empréstimos e de outras modalidades de crédito. Com menos dinheiro disponível, as pessoas consomem menos, o que pode desestimular a inflação.

Já nos investimentos os efeitos da taxa mais alta são considerados positivos, pelo menos no caso dos papéis de Renda Fixa. Essa influência pode ser direta, em títulos como o Tesouro Selic e a poupança, que rendem mais quando a Selic está em alta; ou indireta, pois o aumento da Selic impacta no CDI, taxa indexadora de investimentos como CDB, LCI, LCI e Fundos de Investimento DI.

Quando a taxa Selic está mais baixa acontece exatamente o inverso. Os empréstimos ficam mais baratos e as pessoas consomem mais, o que pode acelerar a inflação. Já os investimentos de Renda Fixa tendem a ter uma performance pior, o que leva os investidores a alocarem capital em investimentos mais arriscados, em busca de maior rentabilidade.

Pelo texto dá para concluir que a Selic é o principal instrumento da política monetária brasileira para controlar a tão temida inflação. Agora que você sabe os impactos dela no seu bolso, confira os artigos abaixo nos quais explicamos o que fazer nos dois cenários:

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos completos sobre investimentos, educação financeira e novos produtos

Gostou? Compartilhe